Questions? Feedback? powered by Olark live chat software
(11) 3481-8001 ou
atendimento@thehunchbox.com.br

The Hunch Box oferece ao público masculino novo processo de compra de roupas

Inovador serviço de entrega em domicilio chega ao mercado brasileiro para oferecer aos homens praticidade e conforto na hora de renovar o guarda-roupas

São Paulo, Abril de 2013 – Comprar roupas pode ser desgastante e estressante para muitos homens. Perder tempo no final de semana, enfrentar o trânsito, brigar por uma vaga no estacionamento e lidar com vendedores chatos e insistentes não é o programa favorito do público masculino. Mas uma alternativa inovadora chegou ao Brasil para acabar com esse problema: a The Hunch Box, um serviço de delivery de roupas.

Segundo Vinícius D’angelo, um dos fundadores da The Hunch Box, “homens gostam de se vestir bem, o problema é que muitos de nós não temos paciência para fazer compras”. Para resolver esse problema, os fundadores da The Hunch Box criaram uma alternativa prática: o consumidor se cadastra no site, diz suas características e gostos pessoais. Com essas informações, é montada uma caixa com algumas sugestões de produtos, que é enviada direto para a residência do cliente.

Com os produtos em mãos, o consumidor pode experimentar todas as peças. “Ele se sente mais a vontade experimentando os produtos em casa, não tem a pressão dos vendedores e pode ver se uma camisa que enviamos combina com uma calça que ele já tinha. É muito mais conveniente” diz Guto Okamoto, sócio-fundador da empresa.

Após experimentar todos os produtos, o consumidor decide se vai comprar ou não. Ele pode escolher todos, alguns ou devolver tudo. Só serão cobrados os itens que ele decidiu ficar, os demais não serão cobrados se retornarem nas condições originais e com a etiqueta.

A receita da empresa resultará da compra no atacado e revenda no varejo, além de outras soluções que estão sendo elaboradas. “Nossa missão é oferecer um serviço premium, que resolva um problema real dos homens e que forneça o máximo de conveniência possível”, acrescenta Guto.